Publicado em Escrever

REDAÇÃO DO ENEM: como lidar? -parte 2: A norma culta

Nós vimos no texto anterior que a nota do ENEM depende de cinco competências, ou critérios. Portanto, você só ganha nota MIL se atender satisfatoriamente às cinco.

A primeira delas diz respeito à norma culta:

I – Demonstrar domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa.

Isso quer dizer que 1/5 da sua nota vai para a adequação de sua escrita às regras gramaticais. Isso inclui atenção a: ortografia, regência, concordância, pontuação, colocação pronominal, vocabulário formal e adequado etc.

Muita gente pensa que vai ganhar zero no exame porque acha que escreve “tudo errado”. No entanto, ao verificar o edital da prova, você verá que há cinco níveis dentro deste mesmo critério:

Nível 0: Demonstra desconhecimento da modalidade escrita formal da língua portuguesa.

Ou seja, mesmo que você escreva “tudo errado”, você não pode ter sua nota zerada por isso, mas, também não deve receber pontuação neste quesito.

Nível 1: Demonstra domínio precário da modalidade escrita formal da língua portuguesa, de forma sistemática, com diversificados e frequentes desvios gramaticais, de escolha de registro e de convenções da escrita.

Pessoas que escrevem muitas gírias, escolhem palavras inapropriadas para o contexto do vestibular, ou mesmo para a informação que pretendem passar devem ficar nesse nível 1. Percebam que, ainda assim, este nível é para quem realmente está sem noção nenhuma de como escrever com “diversificados e frequentes desvios” . Exemplo: “Mas geral sabe que nada como uma boa cervejinha no fim de semana, né? Porisso, acho que o salário mínimo deve ser suficiente para cubrir dessas dispezas.”

Nível 2: Demonstra domínio insuficiente da modalidade escrita formal da língua portuguesa, com muitos desvios gramaticais, de escolha de registro e de convenções da escrita.

O nível 2 pode ser para o indivíduo que cometeu muitas vezes os mesmos desvios, ou seja, escreveu três palavras com a ortografia errada e repetiu essas palavras ao longo do texto, usou mais de uma vez vocabulário inapropriado, errou o uso de crase algumas vezes no texto etc. Entretanto, não está COMPLETAMENTE fora da modalidade padrão. Exemplo: “É preciso dar boa educação à todos os brasileiros, sem esceção.”

Nível 3: Demonstra domínio mediano da modalidade escrita formal da língua portuguesa e de escolha de registro, com alguns desvios gramaticais e de convenções da escrita.

O nível 3 é para quem tem poucos desvios gramaticais, mas alguns problemas com a escolha das palavras. Às vezes, usa um vocabulário informal ou uma palavra que não seja apropriada para o sentido que quer passar. Nesses casos, o corretor percebe que falta leitura crítica ao estudante, pois, apesar de conhecer razoavelmente as regras gramaticais e ter um vocabulário mais ampliado que o estudante do nível 2, entretanto, não sabe usar tal conhecimento da melhor maneira. Exemplo: “A política nunca foi encarada como trivial. Nunca houveram questões muito importantes para os brasileiros além de futebol.”

Nível 4: Demonstra bom domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa e de escolha de registro, com poucos desvios gramaticais e de convenções da escrita. 

O nível 4 é para quem tem poucas inadequações gramaticais e de ortografia. Não comete erros graves como vírgula entre sujeito e predicado, mas tem alguns probleminhas com crase ou regência de verbos com mais de uma transitividade. Exemplo: “O desvio do dinheiro público implica num grande rombo no orçamento para a educação, sempre preterida entre as prioridades do governo.”

Nível 5: Demonstra excelente domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa e de escolha de registro. Desvios gramaticais ou de convenções da escrita serão aceitos somente como excepcionalidade e quando não caracterizem reincidência.

O nível 5 é o nível de excelência! Para ganhar nota máxima no quesito modalidade culta, seus erros devem ser interpretados como “coisa do nervosismo”. Portanto, se você pôs uma vírgula entre o verbo e seu complemento uma vez na redação, e não mais, o corretor vai avaliar isso como uma exceção no seu texto (que deve estar perfeitamente construído). Exemplo: “É comum nos perguntarmos por que a educação não é uma prioridade do governo. Uma das primeiras respostas é que a educação é um investimento a longo prazo.”

O cálculo de proporção é que um estudante que ganhe nível 5 na competência I já tenha 200 pontos garantidos na sua prova de redação.

Espero que esse seja seu caso!!! 🙂

Quanto aos exemplos, no próximo post eu comento cada um deles.

Beijos!

#EscrevaMelhor #NotaMILnoEnem

Publicado em Gramática

Questão comentada do Enem: formação de palavras

Essa foi uma questão do ENEM 2010, caderno azul, 2º dia de prova.

Questão 107 ENEM 2010

Carnavália

Repique tocou

O surdo escutou

E o meu corasamborim

Cuíca gemeu, será que era meu, quando ela passou por mim?

[…]

ANTUNES, A.; BROWN, C.; MONTE, M. Tribalistas, 2002 (fragmento).

No terceiro verso, o vocábulo “corasamborim”, que é a junção coração + samba + tamborim, refere-se, ao mesmo tempo, a elementos que compõem uma escola de samba e à situação emocional em que se encontra o autor da mensagem, com o coração no ritmo da percussão.

Essa palavra corresponde a um(a)

a) estrangeirismo, uso de elementos linguísticos originados em outras línguas e representativos de outras culturas

b) neologismo, criação de novos itens linguísticos, pelos mecanismos que o sistema da língua disponibiliza.

c) gíria, que compõe uma linguagem originada em determinado grupo social e que pode vir a se disseminar em uma comunidade mais ampla.

d) regionalismo, por ser palavra característica de determinada área geográfica.

e) termo técnico, dado que designa elemento de área específica de atividade.

Comentário da questão

Há muitas formas de compor novas palavras. Essa questão do Enem pedia que se identificasse a origem do termo “corasamborim”. Algumas alternativas são facilmente eliminadas pois o próprio enunciado dá as palavras formadoras de “corasamborim”: “coração”, “samba” e “tamborim”. As três palavras são da língua portuguesa, logo, não se pode pensar que se trata de um estrangeirismo (opção A).

O estudante precisava ter um conhecimento de mundo básico para entender que o termo fora criado para a canção, e não pertence somente à fala de determinado grupo social (opção c), profissional (opção e) ou geográfico (opção d). Logo, a opção correta é a B. Trata-se de um neologismo, ou seja, uma nova palavra, criada para o contexto da canção.

Para os que ficaram curiosos, aqui vai o link da canção dos Tribalistas, grandes artistas e neologistas do Brasil:

Beijos, pessoal!

Publicado em Gramática

Questões comentadas do ENEM

Oi, gente!

Hoje eu vou comentar com vocês duas questões do ENEM.

Essas foram questões do ENEM 2009, caderno azul, 2º dia de prova. O modelo atual da prova Enem começou a ser aplicado nesse ano. Os conteúdos de Língua Estrangeira, Literatura, Gramática, Interpretação de Textos e até de Educação Física ficam divididos na prova de Linguagens, códigos e suas tecnologias em 45 questões e uma redação.

Percebe-se que a prova não pede a classificação das orações, não exige que o aluno decore conceitos; no entanto, para responder às questões, o estudante que não entender a função de orações subordinadas adverbiais condicionais e temporais, poderá se confundir na primeira questão.

Textos para as questões 96 e 97

questão 96 97

Questão 96

Os principais recursos utilizados para envolvimento e adesão do leitor à campanha institucional incluem

a) o emprego de enumeração de itens e apresentação de títulos expressivos

b) o uso de orações subordinadas condicionais e temporais.

c) o emprego de pronomes como “você” e “sua” e o uso do imperativo.

d) a construção de figuras metafóricas e o uso de repetição.

e) o fornecimento de número de telefone gratuito para contato.

Questão 97

O texto tem o objetivo de solucionar um problema social,

a) descrevendo a situação do país em relação à gripe suína.

b) alertando a população para o risco de morte pela Influenza A.

c) informando a população sobre a iminência de uma pandemia de Influenza A.

d) orientando a população sobre os sintomas da gripe suína e procedimentos para evitar a contaminação.

e) convocando toda a população para se submeter a exames de detecção da gripe suína.

Comentários:

Questão 96

O envolvimento do leitor se dá através dos pronomes pessoais referentes à 2ª pessoa (“você”) e o “sua”, referente ao você.

Perceba que no enunciado, pede-se “os principais recursos”. Logo, os títulos expressivos, o telefone gratuito para contato e o uso da repetição podem até colaborar para chamar a atenção do leitor. Mas o “envolvimento e adesão” só pode se dar se ele for chamado para o texto, o que só acontece com o pronome de tratamento “você”, o possessivo “sua” e o modo imperativo, modo de interlocução por excelência. Logo, a resposta correta é a C.

O uso de orações subordinadas condicionais e temporais só serve para modalizar as informações, dizer quando ou em que situações as coisas podem ocorrer.

Questão 97

Na questão 97, o estudante deveria ficar atento ao fato de que o texto do Ministério da Saúde deveria ser informativo e orientador da população. Em nenhum momento do texto, há “alerta” para risco de morte, citação de “pandemia” ou “exames de detecção”.

O texto é dividido em duas partes: uma que lista os sintomas e orienta a ligar para um disque epidemiologia e a outra que ensina a prevenção. Logo, a resposta mais adequada era D.