Publicado em Escrever

REDAÇÃO DO ENEM: como lidar? -parte 2: A norma culta

Nós vimos no texto anterior que a nota do ENEM depende de cinco competências, ou critérios. Portanto, você só ganha nota MIL se atender satisfatoriamente às cinco.

A primeira delas diz respeito à norma culta:

I – Demonstrar domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa.

Isso quer dizer que 1/5 da sua nota vai para a adequação de sua escrita às regras gramaticais. Isso inclui atenção a: ortografia, regência, concordância, pontuação, colocação pronominal, vocabulário formal e adequado etc.

Muita gente pensa que vai ganhar zero no exame porque acha que escreve “tudo errado”. No entanto, ao verificar o edital da prova, você verá que há cinco níveis dentro deste mesmo critério:

Nível 0: Demonstra desconhecimento da modalidade escrita formal da língua portuguesa.

Ou seja, mesmo que você escreva “tudo errado”, você não pode ter sua nota zerada por isso, mas, também não deve receber pontuação neste quesito.

Nível 1: Demonstra domínio precário da modalidade escrita formal da língua portuguesa, de forma sistemática, com diversificados e frequentes desvios gramaticais, de escolha de registro e de convenções da escrita.

Pessoas que escrevem muitas gírias, escolhem palavras inapropriadas para o contexto do vestibular, ou mesmo para a informação que pretendem passar devem ficar nesse nível 1. Percebam que, ainda assim, este nível é para quem realmente está sem noção nenhuma de como escrever com “diversificados e frequentes desvios” . Exemplo: “Mas geral sabe que nada como uma boa cervejinha no fim de semana, né? Porisso, acho que o salário mínimo deve ser suficiente para cubrir dessas dispezas.”

Nível 2: Demonstra domínio insuficiente da modalidade escrita formal da língua portuguesa, com muitos desvios gramaticais, de escolha de registro e de convenções da escrita.

O nível 2 pode ser para o indivíduo que cometeu muitas vezes os mesmos desvios, ou seja, escreveu três palavras com a ortografia errada e repetiu essas palavras ao longo do texto, usou mais de uma vez vocabulário inapropriado, errou o uso de crase algumas vezes no texto etc. Entretanto, não está COMPLETAMENTE fora da modalidade padrão. Exemplo: “É preciso dar boa educação à todos os brasileiros, sem esceção.”

Nível 3: Demonstra domínio mediano da modalidade escrita formal da língua portuguesa e de escolha de registro, com alguns desvios gramaticais e de convenções da escrita.

O nível 3 é para quem tem poucos desvios gramaticais, mas alguns problemas com a escolha das palavras. Às vezes, usa um vocabulário informal ou uma palavra que não seja apropriada para o sentido que quer passar. Nesses casos, o corretor percebe que falta leitura crítica ao estudante, pois, apesar de conhecer razoavelmente as regras gramaticais e ter um vocabulário mais ampliado que o estudante do nível 2, entretanto, não sabe usar tal conhecimento da melhor maneira. Exemplo: “A política nunca foi encarada como trivial. Nunca houveram questões muito importantes para os brasileiros além de futebol.”

Nível 4: Demonstra bom domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa e de escolha de registro, com poucos desvios gramaticais e de convenções da escrita. 

O nível 4 é para quem tem poucas inadequações gramaticais e de ortografia. Não comete erros graves como vírgula entre sujeito e predicado, mas tem alguns probleminhas com crase ou regência de verbos com mais de uma transitividade. Exemplo: “O desvio do dinheiro público implica num grande rombo no orçamento para a educação, sempre preterida entre as prioridades do governo.”

Nível 5: Demonstra excelente domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa e de escolha de registro. Desvios gramaticais ou de convenções da escrita serão aceitos somente como excepcionalidade e quando não caracterizem reincidência.

O nível 5 é o nível de excelência! Para ganhar nota máxima no quesito modalidade culta, seus erros devem ser interpretados como “coisa do nervosismo”. Portanto, se você pôs uma vírgula entre o verbo e seu complemento uma vez na redação, e não mais, o corretor vai avaliar isso como uma exceção no seu texto (que deve estar perfeitamente construído). Exemplo: “É comum nos perguntarmos por que a educação não é uma prioridade do governo. Uma das primeiras respostas é que a educação é um investimento a longo prazo.”

O cálculo de proporção é que um estudante que ganhe nível 5 na competência I já tenha 200 pontos garantidos na sua prova de redação.

Espero que esse seja seu caso!!! 🙂

Quanto aos exemplos, no próximo post eu comento cada um deles.

Beijos!

#EscrevaMelhor #NotaMILnoEnem

Autor:

Algumas paixões e muitas palavras.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s